domingo, 31 de outubro de 2010

Serra cresce 7% em Cerro Corá, mas perde de novo para Dilma Roussef

No segundo turno das eleições presidenciais em Cerro Corá deu Dilma Roussef de novo. A candidata apoiada pelo presidente Lula  venceu o pleito no município com 59,98% dos votos válidos, contra 40.02% dados a José Serra, da oposição. A candidata do PT obteve 3.418 sufrágios contra 2.281 votos do candidato tucano. Os votos brancos foram 75 (1,24%) e os votos nulos 272 (4,50%). 

Já no primeiro turno das eleições, Dilma havia obtido 56,41% dos votos válidos e Serra 33,98%, que cresceu quase 7%, mas insuficiente para ultrapassar a sua adversária, que cresceu 3,5% de um turno para outro.  Ou seja, enquanto a candidata vitoriosa tinha obtido 3.146 votos no primeiro turno, seu adversário tinha tido 1.895 votos.

A abstenção de votos em Cerro Corá alcançou um índice de 26,84%, enquanto no primeiro turno o percentual foi de 21,19%. Na eleição deste domingo, 31, deixaram de comparecer às urnas 2.218 eleitores, de um total de  8.264. 

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Vaquejada de 1976: parque construído ao lado da maternidade

Não deu para identificar o pessoal, mas acho que lá em cima, no palanque, escorado de camisa branca seja Assis Guedes, sentado ai embaixo à esquerda, acho que o primeiro de boné é Zé, irmão de Pedro Julião e hoje morando em Currais Novos, e aquele de chapéu de couro, com o braço escorado no joelho, acho que é outro irmão de Pedro Julião, Antonio, que mora em São Tomé atualmente. O garoto de camisa preta à esquerda, acho que é Alcindo de dona Neidá.

domingo, 24 de outubro de 2010

Nivel de emprego cresceu nos dois últimos mandatos de "Joãozinho"

As variáveis externas e internas devem ser consideradas em todas as avaliações feitas, mas nos dois últimos mandatos do prefeito João Batista de Melo Filho (2001/2004 e 2005/2008), o nível de emprego em Cerro Corá acompanhou o crescimento econômico do  país no governo Lula e experimentou uma variação positiva de 16,28%, com a criação de 339 empregos nos dois períodos e um total de 116 desligamentos (8,03%). Com isso a variação absoluta, que é a diferença entre o número de admissões e o de desligamentos foi de 223 empregos (78,52%).

Em relação ao mandato entre 2001/2004, o número de empregos gerados foi dde 145 (20%) e o número de desligamentos chegou 32 (5,68%), com uma variação absoluta de 113 (39,79%). Já no mandato de 2005 a 2008, os números são foram os seguintes: as admissões 194 (14,3%), 84 desligamentos (9,53%) e uma variação positiva de 110 empregos (106,8%).


Período: Jan de 2001 a Dez de 2008
Movimentação
Município
Micro Região

qtde

%

qtde
Admissões
339
16,28
2.082
Desligamentos
116
8,03
1.444
Variação Absoluta
223
638
Variação Relativa
78,52 %
51,33 %
Número de empregos formais 
   1º Janeiro de 2010
  167  
  23,72  
  704  
Total de Estabelecimentos 
   Janeiro de 2010
  165  
  17,8  
  927  



Emprego cresce 15,7% em ano e meio de gestão de "Novinho"

Apenas para efeito estatístico, o blog pesquisou o site do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e pôde constatar que em um ano e meio de mandato do prefeito Raimundo Marcelino Borges (DEM, o "Novinho", o nível de emprego em Cerro Corá cresceu 15,77%, com 103 admissões de pessos no mercado de trabalho, enquanto o número de desligamentos foi de 69 empregados ou um indice de 10,94%. Assim, a variação absoluta foi de 24,64%, considerando que nesse período a diferença entre o número de empregos gerados e o de demissões foi de 34.

De acordo com o MTE, o nível de empregos formais em Cerro Corá era de 167 em 1º de janeiro de 2010, e o número de estabelecimentos 165, em comparação com a microrregião da Serra de Santana, onde no começo do ano havia 704 empregos formais e 927 estabelecimentos.

Nesse mesmo período em Lagoa Nova, houve a criação de 82 empregos formais (12,08%) e 61 desligamentos (9,67%), com uma variação absoluta de 21 empregos (30%). O número de empregos formais era 77 (10,94%) em janeiro deste ano, para 172 estabelecimentos (18,775).

Projeto Rondon vem a Cerro Corá como parte da "Operação Seridó"


Com uma operação em torno de 17 dias, Cerro Corá está entre os 20 municípios do Rio Grande do Norte que vão receber equipes do Projeto Rodon. Em princípio, os dois primeiros dias serão destinados à concentração, abertura da operação, ambientação dos rondonistas, deslocamento das equipes para os municípios e instalação, que no caso do RN, o ponto de partida é a capital, Natal. Os dois últimos dias serão reservados para o encerramento da operação e o retorno às cidades de origem.
A Operação Seridó será desenvolvida entre os dias 22 de janeiro e 07 de fevereiro de 2011, nos seguintes municípios do Rio Grande do Norte – Carnaúba do Dantas, Cerro Corá, Coronel Ezequiel, Equador, Florânia, Itajá, Jaçanã, Jardim de Piranhas, Jardim do Seridó, Jucurutu, Lagoa Nova, Parelhas, Santana do Matos, São Fernando, São João do Sabugi, São José do Seridó, São Vicente, Serra Negra do Norte, Tenente Laurentino Cruz e Timbaúba dos Batistas.
As equipes de rondonistas serão compostas por dez pessoas, sendo dois professores e oito alunos de graduação. Todos devem, obrigatoriamente, pertencer à IES, as chamadas Instituíçoes de Nível Superior, selecionada para a operação. Os professores devem pertencer necessariamente ao quadro de docentes da instituição, não sendo admitida a participação de técnicos e outros funcionários da IES. Os alunos selecionados para compor as equipes deverão estar cursando a segunda metada da graduação.
A equipe deverá ser composta por alunos que não tenham participado de operações anteriores do Projeto Rondon e sua composição deverá ser multidisciplinar, de forma a melhor atender às ações incluidas no plano de trabalho, que podem ser nas seguintes áreas:  cultura, direitos humanos e justiça, educação e saúde, comunicação, tecnologia e produção, meio ambiente e trabalho.
Um professor de cada equipe deverá ser designado pela IES como professor-coordenador, que será o responsável pelas ligações com a Coordenação-Geral do Projeto Rondon para todos os assuntos relacionados com a operação. Será responsável, também, pela conduta da equipe e pelo cumprimento das normas do Projeto.

sábado, 23 de outubro de 2010

Momentos de animação das mulheres cerrocoraenses

À esquerda, Maria de Fátima Bezerra da Costa, a "Boneca" filha de Lourival Bezerra da Costa e dona Lilia, que mora em São Paulo. Ao lado dela, dona Tinoca Ribeiro Julião e Marileide, filósofa e professora universitária filha de Lourival Libânio de Melo. O brinde para a moça do meio, que não conseguimos decifrar quem é, e a loira ai, depois dela, Célia, filha de Chico Soares e hoje esposa de José Renato. Ai, sorridente, Joana d'Arc ou Darquinha, filhoa de Lourival Libânio, atualmente residente em São Paulo e sua irmã, Ana Maria, que mora em Natal. A loirinha ai, pequenininha, Regina de Chico Soares e dona Luiza.

Antigos Carnavais 5: Sérvulo Pereira recebe foliões na Fazenda Tupã

O`saudoso minerador Sérvulo Pereira de Araújo recebe grupo de foliões cerrocoraenses na Fazenda Tupã, que ainda hoje tem a sua casa-sede à margem esquerda da RN-042, a praticamente dois km da entrada de Cerro Corá.  A fazenda hoje pertence à sua filha "Cocó", que é casada com o odontólogo Odilon Garcia. No flagrante, à esquerda não consegui identificar a primeira pessoa, mas na sequência, acredito que seja Apolônio, o de chapéu é João Hêdulo Bezerra da Costa, e ao lado dele, Sérvulo Pereira e depois o pai de "Joãozinho", Lourival Bezerra da Costa e de gorro estilizado na cabeça, José Julião Neto, tendo ao seu lado, Genildo Félix, filho de dona Guiomar e do saudoso Chico Félix, que atualmente mora em Londres, Inglaterra. Em seguida, o saudoso Lourival Libânio de Melo. Também não foi identificada a pessoa do canto à direita.

Vereador Aldo Maciel cobra prestação de contas da Câmara

A Câmara Municipal de Cerro Corá retornou às suas atividades legislativas, passada a euforia do primeiro turno das eleições gerais deste ano no Rio Grande do Norte, com a realização de sessões ordinárias,sempre na noite de sexta-feira, inclusive com a apresentação de requerimentos que podem contribuir para o debate entre os vereadores, dependendo de como será feito o uso das informações. O vereador Francisco Aldo Maciel (DEM), o "Aldin", encaminhou à mesa da Casa, presidida pelo vereador Antonio Ronaldo Vilar (PSDB), pedido de informações detalhas sobre os gastos do Poder Legislativo, no que se refere à folha de pagamento dos vereadores, relação de todos os funcionários efetivos e prestadores de serviços, como contador e advogado, com seus vencimentos e se todos estão recebendo em dia. 

Maciel é da base política de apoio ao prefeito Raimundo Marcelinho Borges, o "Novinho", que tem enfrentado a oposição do presidente da Câmara. Além disso, o vereador do DEM quer conhecer a lista de débitos existentes na Câmara, assim como solicita à mesa que até o dia 20 de cada mês, seja apresentado em plenário um balanço relativo aos recursos recebidos e as despesas realizadas no mês anterior, conforme o artigo 38, inciso XI do Regimento Interno da Câmara.

Outra solicitação de Maciel, agora feita ao prefeito, é que proceda a retirada de barracos construídos ao lado da sede da Câmara Municipal, na praça Tomás Pereira de Araújo. O vereador também pede que o Poder Executivo embarque as obras irregulares que, por ventura, estejam ocorrendo na área da praça. Ele também requereu ao prefeito a lista dos taxistas cadastrados e habilitados a exercerem a profissão no âmbito do município.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Memória da Educação 1: Fundação do Ginásio Comercial Pedro II

O flagrante ai é de uma das últimas reuniões realizadas entre os anos de 1969/1970, com a finalidade de se fundar, em Cerro Corá, o primeiro curso ginasial da cidade, o equivalente hoje ao ensino fundamental maior.  À esquerda, a professora Francisca Pereira, viúva de Assis Guedes e mãe de Hudinho e Juninho, que já ensinava no Grupo Escolar Querubina Silveira. Ao lado dela, o extensionista da antiga Ancar (atual Emater), Varela, e ainda Marleide Galvão e, logo após o então prefeito e contador Manoel Antunes de Melo, que em 1971 teve o mandato cassado por improbidade administrativa. Ao lado dele, Clélia Caraú, uma angicana irmã do saudoso Clécio Caraú, que chegou a morar em Cerro Corá, e o então vice-prefeito José Juliao Neto, que tem o rosto "comido" pelas traças e em seguida, Gorete Garcia, que depois veio a ser vereadora em Cerro Corá e o dirigente da Campanha Nacional de Escolas da Comunidade (Cnec), que não consegui identificar e por cuja égide, nasceu o Ginásio Comercial Pedro II.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Vaquejada 2: "Antonio de Joel" recebe troféu de "Joãozinho"

Outro flagrante da premiação da vaquejada de 1976: agora é o então vereador João Batista de Melo Filho entregando troféu a Antonio Ferreira, o "Antonio de Joel", que nos anos 90 viria a ser eleito primeiro prefeito constitucional do então emancipado município de Bodó, que pertencia a Santana do Matos. À esquerda de "Joãozinho", temos Francisco Gomes, da CNEC e no canto, o engenheiro Pádua, um pernambucano que trabalhava na Mina Bodó.

Prefeitura incha em mais de 30% quadro de servidores desde 2001

Mais de 30%, é quanto o número de funcionários públicos municipais cresceu em Cerro Corá desde 2001, ano em que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) começou a divulgar na internet a chamada "Pesquisa de Informações Municipais Básicas". Naquele ano, o primeiro da gestão do então prefeito João Batista de Melo Filho, a Prefeitura contava com 360 servidores, todos da administração direta do município, dos quais 218 eram estatutários e 36 servidores eram contratados pelo regime da CLT - a Consolidação das Leis do Trabalho, enquanto 106 eram listados como "outros", aqueles sem vínculo empregatício e que deviam trabalhar, por exemplo, por serviço prestado. Em 2002, já no segundo ano de mandato de "Joãozinho", o quadro de servidores públicos passava a ser de 403, sendo 285 estatutários, 59 celetistas e 59 de "outros".

Em 2004 no final do último ano e em plena campanha pela reeleição, a administração de "Joãozinho" aumentava para 499 o número de funcionários públicos,  sendo que 339 eram estatutários, mas diminuindo para 39 o número de celetistas,  regime de trabalho que não garante estabilidade ao trabalhador e, que por isso, pode ser demitido a qualquer momento. Os "outros"  caiam para 41, mas, pela primeira vez, na pesquisa do IBGE aparecia a figura do servidor "comissionado", que nesse ano eram 80.

Já no ano seguinte, em 2005, passada a euforia da campanha de reeleição, o quadro de servidores públicos em Cerro Corá caiu para 487, sendo 341 estatutários. E por coincidência ou não, o número de cargos comissionados baixou 69 e os de servidores sem vínculo empregatício, que podiam ser os "outros", como os dados de pesquisas anteriores, subiram para 77 servidores. No ano de 2006, o número de servidores voltou a diminuir, passando a 468 servidores, incluindo 338 estatutários. O número de cargos em comissão desceu para 64 e de os sem vinculo para 66.

Mas em 2008, outro ano de eleição e quando o atual prefeito Raimundo Marcelino Borges, o "Novinho" foi candidato da situação, o quadro de servidores municipais voltou a crescer, passou para 493 funcionários, dos quais 412 eram estatutários. Em compensação, o número de comissionados caiu para 43 e os sem vínculo decresceu para 38.

Em 2009, primeiro ano de mandato de "Novinho", o número de servidores voltou a cair, para 486, sendo 402 estatutários, além de uma nova queda em cargos comissionados, para  28, enquanto cresceu para 56 o número de servidores contratados sem vinculo, possivelmente por serviços prestados.

Evolução do  funcionalismo da PMCC

Vínculo
2001
2002
2004
2005
2006
2008
2009
Direta
360
403
499
487
468
493
486
Estatutário
218
285
339
341
338
412
402
CLT
36
59
39
-
-
-
-
Outros
106
59
41
-
-
-
-
Comissão
-
-
80
69
64
43
28
S/ Vínculo
-
-
-
77
66
38
56
Fonte - IBGE

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Luto: blog se associa aos pêsames do radialista assassinato em Caicó

Muitas são as tentativas e maneiras de calar a voz dos jornalistas, e o assassinato de F. Gomes, em Caicó, é a mais radical delas. O blog www.cerrocoranews.blogspot.com se associa ao Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Norte (Sindjorn) nas condolências à familia de F. Gomes e de todos os caicoenses...

domingo, 17 de outubro de 2010

Açude Eloy de Souza, fonte de lazer quando não recebia esgotos

Flagrante das senhoras e moças cerrocoraenses num momento de lazer no açude Eloy de Souza, na época em que suas águas não eram poluídas por esgotos. A câmara de ar, coisa rara hoje em dia, era usado como boia pela criançada para atravessar de um lado a outro do açude.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Antigos Carnavais 4: Uma rara fotografia colorida no GPK

Á esquerda, o saudoso Chico Gordo, Rei Momo dos carnavais cerrocoraenses. Ao lado dele, a rainha do Carnaval Marileide Trindade e o casal José Julião Neto e Tinoca, escolhidos o casal mais animado. Com a outra taça, João Hêdulo Bezerra da Costa, o "Joãozinho de Lourival" ou "João Ceará", apelido que ganhou nas noites paulistans, que foi escolhido melhor folião e com a outra taça, uma filha de Chico Soares, acho que Zélia, eleita a foliã mais animada. Á direita, Marleide Galvão, que era uma das fiéis diretoras do Grêmio Presidente Kenney. O Carnaval ai, acredito que seja 1971.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Túnel do Tempo 8: Sesquicentenário da Independência - 21/abr/1972

José Julião Neto hasteando a Bandeira do Brasil em comemoração ao Sesquicentenário da Independência , na praça  Tomaz Pereira de Araújo, no centro de Cerro Corá. No detalhe, a postura cívica do nosso amigo e conterrâneo Ailton Querino Costa, o "Dedé de Germínio", de camisa estampada e o primeiro ao lado da haste do pavilhão nacional. O segundo garoto, depois de "Dedé", atentar para o detalhe do corte de cabelo, estilo militar.  De braços cruzados, "Devi" ou "Fininho", apelido do nosso primo em terceiro grau, que hoje tem uma oficina mecânica em Natal e é filho de José Benedito e dona Belita.  Já o garoto de calça comprida e mão escorada no joelho, tenho a impressão que é Zequinha de Zé Macedo, que hoje mora em Brasilia (DF).  Ao lado deste, de camisa listrada, acredito que seja o saudoso João Carlos, filho de Quinca Canário e irmão de "Fio". Os dois menores, entre João Carlos e "Finiho", acho que  são filhos do saudoso Vivaldo da Oficina. De cabeça maior e cima desses dois, um filho do soldado Moura, que residiu em Cerro Corá. Ao lado de Zé Julião, creio que seja Marcos Antonio Libanio, o "Coca", filho de Lourival Libânio de Melo. No fundo, a casa de Valdemar Ferreira de Lira, antes da terceira e definitiva reforma. Os dois ultimos, ao lado desse galeguinho, acho que são Sinval Belmino e João de Mané Bazu (Outros amigos, que puderem identificar ou confirmar os nomes das meninadas ai, agradeço a colaboração nos comentários).

Censo perto do fim em Bodó, Cerro Corá, Currais Novos e Lagoa Nova

De uma população estimada em 11.235 pessoas, o Censo Demográfico de 2010 em Cerro Corá já recenseou 95% dos seus habitantes, segundo informa o acompanhamento on line existente no site da internet do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítisca - www.ibge.gov.br . Até agora, a população recenseada do município chegou a 10.663 pessoas.  O número de domicílios visitados pelos recenseadores chega a 2.892 ou 88% do total.


Com relação a Bodó, o Censo já apurou que existem 2.361 habitantes, um percentual até agora de 91% em relação a estimativa de 2.952 pessoas. Na vizinha Lagoa Nova a população recenseada chegou a  13.564 ou 99% de sua estimativa, que é de 13.718 habitantes. Em Currais Novos, o Censo já  recenseou 96% da população estimada, ou seja, 41.936 pessoas, de um total de 43.536.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Vaquejada: "Codô" recebe prêmio do cenecista Francisco Gomes

O flagrante ai, acredito, que seja a entrega de uma premiação a Clidenor Pereira de Araújo Filho, o "Codô" e seu irmão "Clísio", numa vaquejada realizada em Cerro Corá no ano de 1976. A pessoa de camisa estampada não sei quem é, mas ai, por trás, de boné, Joaquim Sales Guimarães, entre os dois irmãos, Marleide Galvão e ao lado dela, segurando a taça de campeão, Francisco Gomes, que era um dirigente da CNEC, a chamada Campanha Nacional de Escolas para a Comunidade, a qual estava vinculado o extinto Ginásio Comercial Pedro II. À esquerda, cortado, creio que é Pádua, um engenheiro da Brasimet ou Mineração Sertaneja, que trabalhou na Mina Bodó, que á época era distrito de Santana do Matos.

domingo, 10 de outubro de 2010

Memória Política 5: Edson Pereira discursa na posse do irmão prefeito


Posse do prefeito Francisco Pereira de Araújo, o "Pereirão" e do vice-prefeito Lourival Bezerra da Costa, em sessão solene realizada na Câmara Municipal de Cerro Corá, em 31 de janeiro de 1973. Na ocasião, o irmão de "Pereirão", Édson Pereira de Araújo discursa, tendo ao lado a secretária da prefeitura, Tenice, irmã de Teni do Bar de Chico. Ao lado de Edson, não consegui identificar o senhor de óculos e, à direita dele, Lourival Bezerra. Ao fundo, de paletó preto, José Julião Neto e o então interventor, capitão PM Virgílio Tavares, que veio a ser comandante da Policia Militar do Rio Grande do Norte. Por trás do senhor de óculos, dona Elza Batista Pereira, esposa de "Pereirão".

Bodó ainda responde por 61% das reservas de xilita do RN

Aproximadamente 15% das reservas nacionais (medidas e indicadas) de minério de tungstênio contido são provenientes dos depósitos de skarns ou rochas calcissilicáticas, da Província Scheelitífera do Seridó, especialmente no Rio Grande do Norte, nos seguintes municípios: Acari, Currais Novos, Bodó e Lages. Na mina Bodó estão concentradas 61% destas reservas (2.718 t de WO3 contido) e nas minas Brejuí, Barra Verde, Boca de Lage e Zangarelhas, que correspondem a um único depósito mineral, os 39% restantes equivalentes a 1.738 t de WO3 contido, no qual a mina Brejuí responde pela maior parte.

No entanto, as reservas nacionais poderão ser ampliadas no momento em que algumas minas, ainda inativas, como Boca de Lage, Zangarelhas, Saco dos Veados, Malhada Limpa, Malhada dos Angicos, entre outras, entrarem em atividade, pois quando isto ocorrer, será
necessária a reavaliação das reservas daquelas minas. Além disso, quando os trabalhos de reavaliação das reservas (medidas, indicadas e inferidas) de minério de scheelita das minas
Brejuí e Bodó, realizados em 2004 e 2005, forem aprovados pelo DNPM, estas reservas poderão ser acrescidas em mais de 14.079 t de WO3 contido, com teores de WO3 entre 0,23% a 2,50%. 

Também foi desenvolvido estudo preliminar de prospecção em uma das minas mais ricas em mineralização de scheelita do Rio Grande do Norte, a mina Bonfim, em Lages. Neste estudo, as reservas inferidas foram avaliadas em 30 mil t de WO3 contido, com teor médio de 0,70% de WO3, mas os trabalhos de reavaliação destas reservas ainda estão em andamento.

Complementarmente, segundo o Projeto Scheelita do Seridó, desenvolvido pela CPRM (Serviço Geológico do Brasil) entre os anos de 1978 a 1980, existem expressivas reservas geológicas de tungstênio  contido em depósitos de skarns ou rochas calcissilicáticas, na
Província Scheelitífera do Seridó, localizada nos Estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba. Nos estudos geológicos e de prospecção realizados, foram individualizados 38 importantes trends scheelitíferos  de depósitos estratiformes, nos quais foram inferidas 357 mil t de W contido, com teor médio de 0,20% de WO3.

Ainda, é apropriado considerar as reservas remanescentes das operações de lavra e de beneficiamento do minério de scheelita, que  são os rejeitos ou taillings, existentes nas principais minas, como Brejuí, Barra Verde, Boca de Lage e Bodó.

Na mina Brejuí as reservas de rejeito grosso (similar areia) foram avaliadas em 2.000 t de WO3 contido, com teor de 0,05% de WO3, e as de rejeito fino (semelhante lama) em 1.804 t de WO3 contido, com teores médios de 0,19% de WO3 e 0,10% de Mo. Nas minas Barra Verde e Boca de Lages as reservas de rejeito fino foram avaliadas em 5.000 t de WO3 contido, com teor médio de 0,10% de WO3. Na mina Bodó elas atingem 1.082 t de WO3 contido, com teor médio de 0,50% de WO3.

Conseqüentemente, utilizando as inovações tecnológicas, no tratamento e beneficiamento deste material, todos os rejeitos poderão ser aproveitados, por isso, eles são considerados reservas estratégicas.

Fonte - Geólogos Telma Monreal Cano, Jorge Luiz da Costa e Júlio de Rezende Nesi, de um trabalho realizado para o DNPM e CPRM.

Testemunho do português Francisco Botelho na visita feita a Cerro Corá em dezembro de 2007

Prefeito Joãozinho de Cerro Corá, espero que não tenha levado a mal quando, no jantar em Curais Novos, disse que você nos tinha tratado mal. O sentido da minha expressão apenas queria revelar que você nos tinha levado ao centro dos problemas do sertão, de resto, o tratamento que você e sua esposa nos dispensaram foram inexcedíveis.
Desde o acolhimento em Natal – como soube bem logo no início da Expo termos a sua companhia e a atenção de Teresinha, conhecer sua família e contactar com o CarNatal, oportunidade que nunca teríamos sem a sua amabilidade.
De resto, Cerro Corá foi para nós uma lição. Primeiro, aquela pequena unidade de despeculiarização da castanha de caju. No fundo, um resíduo da exploração capitalista, de um mundo de economia globalizada que deixa pequenos restos aos mais desfavorecidos. A ocupação e a renda que proporciona esta pequena unidade não podem ser desprezadas, mas como dói verificar que a matéria-prima, aí produzida, deixa tanto lucro por todo o lado e apenas uns resíduos aos pobres habitantes de seu conselho.
Temos presentes os problemas que nos colocou sobre os assentamentos e a necessidade de investir na qualidade de vida das populações deslocadas. A formação do SEBRAE é um exemplo disso. 
Vimos que a sua cidade é uma cidade plena de vida e com uma grande actividade comercial. Mesmo que passando rápido, deu para ficar com vontade de percorrer o bairro e descobrir o mercado de consumo e ficar a conhecer melhor a vossa forma de vida. A visita à pequena fábrica de Jeans foi elucidativa. Uma unidade de produção e renda muito organizada, com gente empenhada à frente. Para nós, europeus, nos assusta um pouco a dependência de um único cliente, mesmo que o gerente nos tenha dito que tem outros em carteira. E apoiamos claramente a aspiração dele de criar uma marca própria para poder comercializar directamente os seus produtos. É sempre a mais valia, acrescentar o design e a marca aos têxteis produzidos. Felizmente, vocês parece não terem a concorrência dos chineses, que inundaram os mercados na Europa e acabaram em Portugal com as pequenas fabriquetas têxteis, gerando muito desemprego.
A visita ao assentamento de S. Francisco foi custosa mas valeu a pena. Primeiro porque vimos o esforço de trabalhar toda a fileira da castanha. Mesmo em pequena escala, o que vimos em S. Francisco é afinal aquilo que deveria existir na região – unidades que aproveitam a castanha e a embalam, colocando-a no mercado. E que  saborosa que ela é. Acho que em Portugal haverá mercado para ela. O trabalho do presidente da associação de jovens de recuperar a fazenda para turismo não é fácil, mas as condições estão todas lá. A única coisa que falta é a estrada, não há visitante que resista a tanto solavanco. Quantas eleições mais serão precisas para o Governo avançar com a obra?

Governo repassa 1ª parcela do ICMS

O primeiro repasse do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços em Cerro Corá, no mês de outubro, é de R$ 16,775,70, segundo a planilha da Secretaria Estadual do Planejamento e das Finanças (Seplan), que foi publicada no "Diário Oficial do Estado" de sexta-feira, dia 8. O valor acumulado do ano e repassado ao município é R$ 734.598.99. Em setembro, o repasse foi de R$ 69  mil.


Em Bodó, o repasse dos primeiros dez dias de outubro ficou em R$ 10,67 mil e um acumulado de R$ 468 mil no ano. Já em Lagoa Nova, o repasse de outubro até agora foi de R$17,8 mil e o acumulado do ano ficou em R$ 778,6 mil.

Túnel do tempo 7: Almoço comemorativo da inauguração da torre de TV

Almoço ocorrido em 16 de janeiro de 1972, ocasião em que a sociedade cerrocoraense comemorava a inauguração da torre que passou a retransmitir o sinal da TV Tupi, hoje extinta.  Os personagens da foto: à esquerda, em primeiro plano, acredito que seja Wilson Pereira. Do outro lado da mesa, Pepeta e Marconio Galvão, com a cabeça escondida, João Bezerra Galvão e sua esposa, dona Terezinha Guimarães Galvão e sua filha, a hoje dentista Teresa Márcia. No canto, de óculos, um acadêmico do Projeto Rondon. Entre as duas mesas, um engenheiro da Mina Bodó, vinculado à Mineração Sertaneja, Paulo Roberto e sua esposa. Por trás de ambos, salvo enganho, Clélia Rodrigues, que é casada com Chiquinho de Lourival Bezerra e Branco de dona Minervina, uma lavadeira de roupa forte de Cerro Corá. De frenta, na cabeceira da mesa à direita, Sargento Mitre, que comandava um pelotão do Batalhão de Engenharia e Construção, ao lado de sua esposa, e que perfurava poços em Cerro Corá, além de ter ajudado na instalação da torre de TV, e à direita deles, o então prefeito José Julião Neto e sua esposa, dona Tinoca Ribeiro Julião, ao lado dela, dois de seus três filhos, Maria José Julião, a "Mariazinha" e Vanilson Julião, hoje jornalista em Natal. Na sequência e de óculos, o saudoso Luiz Gonzaga Guedes, que era auditor estadual de rendas e sua filha Iracema, que hoje reside em São Paulo. O almoço foi nas dependências do Grêmio Presidente Kennedy (GPK), onde hoje é a Câmara de vereadores.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Memória do futebol 4: Juventus antecedeu a criação do GPK

O Juventus com o padrão de camisas na cor vermelha e essas duas listras verticais brancas, foi uma equipe que antecedeu a criação do Grêmio Presidente Kenndy, que só foi fundado em 1968. Essa formação ai, provavelmente, é desse mesmo ano. O goleiro é o curraisnovense Buru, ao lado dele, Melo e Dé Mulato, em seguida, Corá e Conzaga, outros dois curraisnovenses, e ainda Galego de Passarinho e Sérvulo Neves. Agachados, o ponta-direita não identifiquei, depois, temos Dedé, filho do saudoso Zé Preto e com a mão na bola, Varela, que era técnico da antiga agrícola Ancar (atual Emater), Dedé Garcia e Pedrinho de Zuza Passo. O detalha, ao fundo, o saudoso Francisco Pereira de Araújo, o "Pereirão", aparecendo como "papagaio de pirata".

Agripino quebra sequência de derrotas em Cerro Corá

O resultado das eleições gerais deste ano em Cerro Corá tem alguns pontos a se considerar, já foi dito que essa foi a primeira vez que o senador José Agripino, que contou com o apoio do prefeito "Novinho", terminou um pleito em primeiro lugar no município, à frente do senador Garibaldi Alves Filho na sua campanha de reeleição.

Em 1998, quando enfrentou nas urnas o hoje aliado do PMDB, Zé Agripino perdeu a eleição em Cerro Corá, obtendo 2.005 votos contra os 2.139 dados a Garibaldi Filho. Naquele ano, o prefeito era Clidenor Pereira de Araújo Filho, o "Codô", que apoiou o então governador Garibaldi Filho, que era candidato à reeleição.

Nas eleições de 2002, Zé Agripino foi candidato a senador e, de novo, Garibaldi Filho foi o primeiro colocado, com 2.775 votos, agora tendo como prefeito em Cerro Corá, João Batista de Melo Filho. Agripino, na ocasião, obteve 2.375 votos. Mas, os dois acabaram eleitos para o Senado Federal.

Em suma, a sina do eleitor cerrocoraense é colocar em primeiro lugar aquele candidato a governador ou a senador que tem o apoio de uma "azeitada" máquina administrativa comandada pelo prefeito de plantão no município.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Cerrocoraense vai competir no Brasileiro de Clubes em Porto Alegre

Fábio Leonildo vai correr 100 e 200 metros com barreiras
no clube Sogipa , na capital gaúcha 


O atleta Fábio Leonildo, 15 anos, é quem deve representar Cerro Corá no 1º  Campeonato Brasileiro de Clubes de Atletismo, a se realizar nos dias 16 e 17 de outubro, em Porto Alegre (RS) O professor Edilson Oliveira, da Escola Estadual Querubina Silveira, informa que a viagem está prevista para a sexta-feira, dia 15. "Temos outros bons atletas em condições de disputar essa competição, são os casos de Daniele Duarte – campeã brasileira no arremesso de peso, Lívia Borges nas provas de velocidade, Brendeo Firmino no salto em altura e Vitor Vinicius,  entre outros", disse ele.

Segundo Oliveira, a dificuldade é conseguir ajuda financeira para bancar as passagens, mas ele disse que já conta com o apoio da Zaja Confecções, de Othon Militão e ainda da Federação Norte-rio-grandense de Atletismo (FNAt) e Associação Esportiva Social e Cultural Cerrocoraense (Aesc): "Pretendo viajar com o Leonildo pelo seu empenho e dedicação aos treinos, é um exemplo de atleta, gosta de treinar e tem uma consciência atlética pessoal invejável e estar muito bem fisicamente. Não tenho duvida que ele esteja ente os melhores do Brasil".

Fábio Leonildo deve participar do brasileiro competindo nas provas de 100 e 300 metros sobre barreiras, na pista de atletismo do clube gaúcho Sogipa. "Gostaria de levar mais gente, mas, essa competição é interclubes e as despesas são por conta dos participantes", destacou o professor. 


segunda-feira, 4 de outubro de 2010

"Novinho" sai fortalecido das urnas "paroquianas" de Cerro Corá

O prefeito Raimundo Marcelino Borges (DEM), o "Novinho", saiu fortalecido das últimas eleições, levando em conta a política "paroquiana" de Cerro Corá, primeiro pela eleição de sua correligionária para o governo do Estado, a senadora Rosalba Ciarlini. Em segundo lugar, porque ela, também, saiu-se como a mais votada do pleito no município, com 55.93% dos votos dos cerrocoraenses, contra os 40,08% dados ao favorito, Iberê Ferreira, que tinha o apoio do seu aliado político, o ex-prefeito João Batista de Melo Filho e ainda dos dois candidatos que "Novinho" enfrentou nas urnas em 2008: Ana Maria da Silva e Othon Militão.

Além disso, o prefeito, com a ajuda dos eleitores, fez do presidente estadual do seu partido, José Agripino, o mais votado para o Senado, à frente de outro campeão de voto, o senador Garibaldi Alves Filho (PMDB).  A ex-governadora Wilma de Faria, que tinha o apoio da maioria dos vereadores e das lideranças oposicionistas, ficou em terceiro lugar. 

Se isso não bastasse, o prefeito ainda viu o deputado federal Felipe Maia, reeleito, ser o mais votado em Cerro Corá, com 1.998 sufrágios, dentro do que previu o blog www.cerrocoranews.blogspot.com em texto postado na semana passada. O segundo colocado foi João Maia, com 681 votos e em terceiro, Rogério Marinho, com 604 votos, que contava com o apoio do presidente da Câmara, Antonio Ronaldo Vilar e outros vereadores. Candidato de João Batista, Henrique Eduardo Alves ficou em quarto lugar, com 574 votos e em seguida, Fábio Faria, 563 sufrágios, que tinha o apoio da vereadora Graça Medeiros. Campeã de votos no Estado, Fátima Bezerra ainda teve 447 votos e Wober Júnior, apoiado por Militão, saiu com 306 votos.

Por fim, o prefeito contabiliza como "vitória", apesar do deputado não ter sido reeleito, o primeiro lugar dado ao deputado estadual José Adécio, com 1.083 votos. Gesane Marinho, apoiada por Graça Medeiros, teve 574 votos, enquanto "Tomba", com o apoio de Militão, foi o terceiro colocado, com 539 votos.

domingo, 3 de outubro de 2010

Rosalba: primeiro em S. do Matos

Rosalba - 4.831
Iberê - 2.102
Carlos Eduardo - 168

Para o Senado

Agripino - 5.477
Garibaldi - 5.171
Wilma - 3.195

Os candidatos a deputado mais votados em Cerro Corá

Federal

Felipe Maia - 1.998
João Maia - 681
Rogério Marinho - 604
Henrique Alves - 574
Fábio Faria - 562
Fátima Bezerra - 447
Wober Jr - 306

Estadual

José Adécio - 1.083
Gesane Marinho - 574
Tomba - 539
Nelter Queiroz - 504
Dibson Nasser - 395
George Soares - 372
Walter Alves - 328
Márcia Maia - 316
Ezequiel Ferreira - 191

Em São Tomé deu Iberê

Iberê - 3.617
Rosalba - 2.201
Carlos Eduardo - 222

Para o Senado

Garibaldi - 50207
Wilma - 3.494
Agripino - 2.549

Rosalba ganha em Lagoa Nova

Rosalba - 3.781
Iberê - 3.228
Carlos Eduardo - 108

Para o Senado

Agripino - 5.755
Garibaldi - 3.961
Wilma - 3.372

Vitória de Rosalba em Cerro Corá

Rosalba - 3071
Iberê - 2.201
Carlos Eduardo - 201 votos

Para o Senado

Agripino - 3.346
Garibaldi - 3.514
Wilma - 2.238

Rosalba vence em Currais Novos

Rosalba - 11.143 votos
Iberê - 9.023 votos
Carlos Eduardo - 1.161 votos

Para o Senado

Agripino - 12.309 votos
Garibaldi - 12.237
Wilma - 11.123

sábado, 2 de outubro de 2010

Antigos Carnavais 3: mais um flagrante nos salões do GPK

Carnaval no Grêmio Presidente Kennedy, flagrante de 1971, à esquerda dona Zulmira Ribeiro Xavier, atrás do marido, Manoel Mororó (pais de Alex, João, Branco, Tininha, Geraldo, Gracinha, Tânia e Sônia). Sentado, de chapéu, Antonio Evaristo. De camisa branca do GPK, o seu presidente José Julião Neto e abraçado a ele, com dedos em "V", Marileide, filha do saudoso Pedro Trindade e ao lado dela, o cunhado Valdemar Ferreira de Lira. Em pé, a direta, Maurício Canário de Brito (filho do saudoso João Canário e dona Olivia, irmã de Zulmira, as duas já faleceram) e que mora hoje no Mato Grosso do Sul.  Sentada, olhando para Maurício, acreditamos que seja Chaguinha, filho de Manoel Anselmo e irmã de "Chico Lindo". Ao lado de Valdemar, Mário Brasil e ao lado deste, sentada, sua esposa Maria Chá.

Cerro Corá em 23º lugar no ranking municipal geral da Firjan para o RN

Com uma população estimada em 11.235 habitantes pelo IBGE, Cerro Corá aparece em 23ª lugar dentre os 167 municípios do Rio Grande do Norte, segundo o ranking geral de Desenvolvimento Municipal que foi divulgado em 2010 pela Federação das ìndústrias do Rio de Janeiro (Firjan).  O índice de Cerro Corá é 0,6313, que está acima do índice Estado, que é de 0,6547, mas é superior a média estadual, que ficou em 0,5667. No âmbito nacional, Cerro Corá está em 2513º lugar dentre os 5.564 municípios brasileiros.
Entre 2000, ano em que criou-se o IFDM, e o ano de 2007,  a variação a maior de Cerro Corá foi de 53,8%, saindo de um índice de 0,4105 para 06313.  Entre 2006 e 2007,  a variação foi de apenas 12,9 %.
O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal avalia três itens: emprego e renda, educação e saúde. Dos três, onde Cerro Corá pontua melhor é a saúde, com 0,7651 pontos, inclusive superando o Índice do Rio Grande do Norte e a média estadual. No quesito educação a pontuação é de 0,6917 e de novo o município supera o índice do Estado e a média estadual. Onde a municipalidade cerrocoraense apresenta maior fragilidade é no item emprego e renda, com 0,4372 pontos, mas ainda fica acima da média dos municípios potiguares, que é de 0,2940.
Mas, quando se trata da avaliação individual, na situação de emprego e renda, Cerro Corá sobe para o 17º lugar, na educação cai para 61º lugar e na saúde fica em 56º.
Dos municípios da região do Seridó, Cerro Corá ficou atrás apenas de Acari (4º), Caicó (6º), Santana do Seridó (9º), Currais Novos (10º), Florânia (14º), Equador (16º), Carnaúba dos Dantas (17º), Parelhas (18º). Em municípios vizinhos, a situação é a seguinte: Lagoa Nova (136º),  Bodó (94º), São Tomé (106º),  Santana do  Matos (133º).