sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Primeiro violão de Zé Milanez foi presente do tio José Ribeiro

JOSÉ COSME DA SILVA, conhecido como "JOSÉ MILANEZ", nasceu em 9 de setembro de l917, no Sítio Boa Vista, propriedade dos seus pais, no município de Cerro Corá/RN. 
Descobriu que era poeta quando estudava com o professor Felisberto de Carvalho. Ainda criança começou a escrever versos e a improvisar do som da viola, presente do seu tio José Ribeiro, encantado com sua inteligência, desenvoltura e a maneira peculiar de relacionar-se com a poesia. Tornou-se assim, na juventude, um profissional da viola com a extrema capacidade de improvisação, alicerçada em conhecimentos adquiridos pela prática da leitura e da pesquisa escrevendo assim trabalhos científicos, históricos e religiosos. Foi um dos melhores cordelistas do seu tempo. Nas suas cantorias debateu com cantadores como os irmãos Batistas (Dimas, Otacilio e Lourival) José Alves Sobrinho, Josué da Silva, Domingos Tomaz, José Melquiades, entre outros, escreveu ainda trabalhos sobre Cosmografia Universal, a História de Moisés, do Judeu errantes, Samuel Bele-Beth. Por muitos anos viajou, conhecendo diversos contextos culturais: Cantou seus versos para os mais variados públicos, conquistou amigos e provocou emoções. Nessas viagens, conheceu sua alma gêmea a, a professora Maria Macedo Xavier Silva "Dona Nenzinha", assim chamada carinhosamente pelos familiares e amigos. Juntos realizaram seu maior sonho. A formação superior para seus 10 filhos. (7 mulheres e 3 homens) Como poeta e cordelista, publicou vários folhetos, entre os quais, se destacam: . Abilio e Jovelina - O rapaz que enricou com 700 réis. . Os heróis de Currais Novos (Francisco Xavier Batista e João Acioly) . Casamento Sertanejo . Pranteadas mortes de Cosme Domingos e Filhos . Lágrimas do Poeta . Triste morte de um vaqueiro . História verídica de dois amigos (Francisco Neto e José Pinheiro) . A defesa de José Cosme da Silva Milanez e Manoel Macedo Xavier . O trabalhador Rural . Os suspiros da humanidade e os castigos de Deus Publicados pela UFRN/Pró-Reitoria para Assuntos Universitários/Projetos Universitários Apoio; FUNARTE -Foi produtor e apresentador de um programa de Rádio, na Rádio Currais Novos durante 3 anos consecutivos, onde cantava e decantava em verso e prosa, o amor, as belezas do sertão, entre outras tantas temáticas. Foi líder politico, sem cargo eletivo. Foi Funcionário Público Federal, onde exerceu suas funções da Casa da Lavoura na Cidade de Cerro Corá/RN. Foi também Funcionário da Mineração Tomaz Salustino (Mina Brejuí), onde residiu por muitos anos. Dedicou-se ao sindicalismo, atraido pelas injustiças sofridas, principalmente pelo homem do campo, uma vez que lá estavam suas raízes. Foi o fundador do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Currais Novos, uma entidade de classe forte e dinâmica com mais de quatro mil associados, voltados exclusivamente para a organização e defesa dos interesses dos trabalhadores rurais, que tinham por seu líder, respeito e confiança, resultado do trabalho que vinha sendo efetuado, que ia além do atendimento diário nas áreas de assistência social, médica, odontológica e jurídica, mas sobretudo, pela abertura de caminhos que lhes proporcionavam através da informação para o exercicio da cidadania. Como sindicalista, participava ativamente das lutas, mobilizações, congressos e seminários, tanto no âmbito Estadual como Nacional. Comumente era convidado para realizar palestras para alunos das redes Estadual e Municipal e da UFRN - Campus de Currais Novos e entidades comunitárias. Também foi responsável pela produção e apresentação de um programa semanal na Rádio Currais Novos, visando implementar e consolidar a organização e a conscientização dos trabalhadores rurais do municipio e da região do Seridó no tocante dos seus direitos sociais. Permaneceu por 14 anos seguidos na defesa do seu povo como Presidente do referido Sindicato, com sede própria à Rua São José. Hoje, Rua José Milanez, uma homenagem dos moradores após a sua morte, apoiada e referenciada pelo legislativo e executivo municipal. Assim de forma sucinta, foi sua trajetória de vida, serena, saudável, amorosa. Inteligente, idealista e sonhador, sempre realizou em prol dos mais necessitados. Foi amado, admirado, às vezes injustiçado, o que aumentava a sua convicção e disposição de luta, que tinha como arma o diálogo, a negociação. Mas a sua luta e seu trabalho edificante foi interrompido, no dia 25 de agosto de 1986, aos 68 anos de idade, através das mãos de um insano covarde, cruel e malicioso, monstruoso, sem lhe dar nenhum direito de defesa e de um adeus a tantos quantos o amavam.

3 comentários:

José Valdir Julião disse...

O texto acima foi transcrito do blog de Geralda Efigênia, filha do saudoso José Milanez, poeta e violeiro cerrocoraense.

Uma história que não sabia, que o violão, foi presenteado pelo meu avô materno, José Ribeiro...

Fiquei muito feliz em saber disso...

José Valdir Julião disse...

Ainda menino, ainda cheguei a assistir uma cantoria de viola em Cerro Corá, na casa onde meu avô morava, em frente à "mercearia" de João Bezerra Galvão.

GERALDA EFIGÊNIA disse...

Oi Valdir, seu avó pai de Tinoca gostava demais de papai e o mesmo era muito querido e admirado pelo meu pai, ele foi o grande incentivador do meu pai. GRANDE JOSÉ RIBEIRO! tem toda minha admiração. Aproveito a oportunidade para agradecer o comentário de Francisquinha aqui pelo seu conceituado blog.